10 de dezembro de 2010

WikiLeaks


Houve uma revolta popular online em defesa da WikiLeaks

Por Clara Barata

Hackers, activistas, pessoas que defendem a liberdade de expressão deixaram inacessíveis os sites de várias empresas. Guerra, indignação, mera sabotagem?


1 comentário:

  1. Pois, eu ouvi a historia de um miudo de 16 anos que foi press por ester a atacar "empresas que nao apoiaram o wikileaks" - segundo o que dizia no titulo da noticia.

    Ora, se assim foi, acho muito bem porque, isso agora e uma razao valida para atacar empresas? So porque nao partilham dos nossos ideais?
    Para mim, e o mesmo que ter alguem neo-nazi a dizer que vai atacar quem nao apoiar as suas crencas.

    E mesmo que fosse atacar individuos que atacaram o wikileaks, ele tem de saber que ha consequencias se for apanhado.

    Quanto ao resto, so tenho a dizer que o wikileaks nao foi perseguido quando pos ca fora videos REALMENTE embaracosos sobre os EUA (com soldados Norte Americanos a atacarem, o que pareciam ser, civis e ainda se rirem do assunto). Esta, aparentemente, a perseguir o fundador depois dele ter posto ca fora (so e apenas) informacao privada (nao propriamente algo que demonstra abuso de podia que tivesse de ser, realmente, passado para o publico!

    ResponderEliminar